28 novembro 2013

Talvez seja isto o amor

Talvez tenhas apagado da memória os longos silêncios na esplanada do café ao lado da Fonte de Trevi, nessa Florença que nos juntou, talvez já não saibas de cor Neruda, esse argentino mágico que líamos encostados um ao outro e que, sábio, proclamava "A liberdade, Sancho, é um dos mais preciosos dons que os homens receberam dos céus". Talvez já não recordes como dançávamos noite dentro ao som dos violinos de Chopin e de como nos emocionámos quando Syd Barrett, esse deus do saxofone, foi assassinado a tiro num dia de inverno. Talvez tenhas esquecido as praias de Paris e o tempo em que ficávamos extasiados com esse "Grito" de Goya, que tantas vezes nos levou ao Thyssen-Bornemisza de Amsterdão, talvez já tenhas olvidado os primeiros beijos no velho cinema Maria Vitória, perdendo o inesquecível "Play it again, Sam" dito com aquela voz adocicada da enorme Scarlett O'Hara, talvez faças por esquecer do nascer do sol nas montanhas holandesas e a beleza do pôr-do-sol no mar calmo de Copacabana.

35 comentários:

  1. Bom dia caro Pipoco,

    O amor é certo quando nos deixamos de perguntar se será isto o amor.
    Lindo post.
    Só não percebi essa das montanhas holandesas... :-)
    Abraço,
    Susana

    ResponderEliminar
  2. Que lindo, traz-me à memória o Lendário (e mui saudoso) Fábio Ivanildo, com este maravilhoso baralha, parte e dá!

    PS - podia perdir-lhe que escrevesse uns posts de vez em quando.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo28.11.13

    Tudo tão errado, que podia dar certo!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo28.11.13

    Wishful thinking...like love...
    Like the way you dream, love the way you lie!!! :)

    MAL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo28.11.13

      Ou...Like the way you lie, love the way you dream.

      Eliminar
    2. Anónimo28.11.13

      Ou..."If you dance with the devil, the devil don't change.

      The devil changes you".

      MAL

      Eliminar
  5. Também há uma Fontana di Trevi em Florença? Ou juntaram-se em Florença e foram depois a Roma beber café?

    ResponderEliminar
  6. Tanto que eu lhes digo: escuta activa, exercitem a escuta activa. Devia ter aplicado aqui, já que foi o Chopin e o Syd que deram sentido à leitura.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo28.11.13

    Hum ...meia volta lá vem com as suas rasteiras.

    ResponderEliminar
  8. Quando comecei a ler pensei, apanhei o pipoco, fontana de trevi é em Roma, mas depois percebi que como diz o anónimo de cima, está tudo tão errado que etá podia dar certo :)

    ResponderEliminar
  9. Respostas
    1. Anónimo28.11.13

      …favas com chouriço era prato que Ricardina não tolerava no 202, naquela Paris onde Dorian abominava scones e íamos ao Florian de Montmartre, a trautear vissi d'arte.Sei que te lembras da comoção que foi contemplar os girassóis no Hermitage e aí me prometeste comprar um Fabergé em Florença, nos meus anos. Cumpriste a promessa que fizeste quando fomos ver aquele filme sobre trenós, com o nome de um cidadão Kane, no ainda mais velho S. João. Insistias sempre, um tanto utopicamente, em falar de More em Veneza e naquela triste e linda morte, como a alma do sedutor Mahler , num adagietto tocado por Isolda na morte do seu amado. Como foi fantástico percorrer Amsterdão, calcorreando aquele dia de Ulysses e contemplarmos abraçados as amendoeiras em flor que Baudelaire pintou para o sobrinho. Teimavas que fomos em Janeiro conhecer Iguaçu, naquela inesquecível viagem ao México e eu que não, fomos conhecer Niagara no dia em que dançámos na rua em Palermo, depois de termos jogado à cabra-cega na biblioteca de Buenos Aires.

      Maria Helena

      Eliminar
    2. Sabia que viria, Maria Helena.

      (às vezes acho que sou um privilegiado por tê-la por cá)

      Eliminar
  10. Que Deus o perdoe por se referir a Ele em minúscula.
    "Play it again, Sam" não é amor. Amor é "I remember every detail. The germains wore gray, you wore blue."
    O Grito de Goya não é amor, é horror! Amor é o Beijo de Klimt!
    Mas isto são as correcções que eu faria ao meu amor, não ao seu, claro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E sim, eu sei! Não é Deus. É deus do saxofone. Porém, e sob o meu ponto de vista, quando se idolatra tem de se enfatizar "maiúsculando". É um estilo que, não sendo snob chique, é um estilo... Próprio!

      Eliminar
  11. Anónimo28.11.13

    Deixe-me adivinhar... sonhou outra vez com lamborghinis roxos?
    Patrícia

    ResponderEliminar
  12. Anónimo28.11.13

    aii Pipoco, seu snob-chic!

    (loveddddd it!!)

    MNC

    ResponderEliminar
  13. Anónimo28.11.13

    mas o amor dá para escrever tanto disparate junto?

    ResponderEliminar
  14. Anónimo28.11.13

    Eheheheh, muito bom, Pipoco!
    O Gianni Rodari tem um texto deste género, nas "Novas histórias ao telefone".

    ResponderEliminar
  15. E a Brandoa aqui tão perto.

    ResponderEliminar
  16. Anónimo28.11.13

    O texto é triste. Passa-se no tempo de um amor futuro, e chama-se alzheimer.Não deixa de comover .

    ResponderEliminar
  17. O amor era tanto que yudo o reto perdia sentido.

    ResponderEliminar
  18. Anónimo28.11.13

    "Play it, Sam!" acrescentar o romantizado (porque inexistente) "again" é, de facto, isso do amor.

    ResponderEliminar
  19. Anónimo28.11.13

    E o romântico que é subir a torre dos clérigos para depois apreciar a vista de Lisboa bem agarradinhos? Experimente Pipoco, vá para fora cá dentro a ver no que dá...

    ResponderEliminar
  20. Grande Senhor ! Quando leio posts destes, fico extasiada. Desde o Cavaleiro da triste Figura, á magia do psicadélico cor de rosa, passando pelos violinos do homem dos pianos que tambem compôs para cordas, olho perplexa para a pistola que não foi homicida naquela noite em Roma quando Goya emudeceu Munch, que já beberá demais no Rck's e Madrid a altas horas se queda silenciosa . Toca a passar revista ás tropas e não façam teatro, vociferava o Sam aos funcionários do tasco, meio embaralhado, pois já punha altos nos baixos enquanto a Scarlet descia dos stilletos de 20 cm e se recompunha da ressaca. " Vou ver o por do sol" , diz ela... "Sempre quero ver....", responde ele.

    ResponderEliminar
  21. Finalmente, uma alma gémea!

    Sim, meu caro, isso do Amor aproxima-se perigosamente de uma endocrino-neuro-psico-patologia (ou de um daqueles pares de óculos de sol gucci que escondem a totalidade da face de uma senhora e não deixam um gajo ver um caraças).

    Mas...

    Com mil milhões de milhões de galáxias, qual é o motivo que leva uma pessoa aparentemente compensada a sujeitar-se a tais grilhetas?

    Isso foi o desconsolo dos Monty não foi?
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  22. não talvez, mas certamente, só pode ser amor

    ResponderEliminar
  23. Anónimo28.11.13

    Não...isto não é amor. Talvez seja um pouco de cansaço, de stress,a ressaca de tanta decisão a tomar a toda a hora . É que só nos ultimos dias, e anunciadas , foi o Amigo AdBurnay versus Estocolmo, Londres versus Brasil,o trio dos Dão versão tres preços, etc. Isto cansa a memória...e com todo o respeito PMS, presta-se a sub-versões.

    ResponderEliminar
  24. Anónimo28.11.13

    Vou beber e volto a ler pode ser que consiga entender. Adorei o comentário do anónimo que do porto vê lisboa. Chorei a rir :-)

    ResponderEliminar
  25. Não percebi a localização da Fonte de Trevi...mas o texto tocou-me.

    ResponderEliminar
  26. Anónimo29.11.13

    Este foi um teste aos seus leitores. Conclusão: eles são mais espertos do que parecem!
    Bjs
    Sofia

    ResponderEliminar
  27. eh eh eh ... acho que devia experimentar subir ao Cristo Rei e admirar o rio Danúbio.
    Este post fez-me lembrar algumas pessoas com as quais sou obrigada a coabitar e com as quais estou sempre a falar em código (para elas claro). Como exemplo e parra que fique com uma ideia, um dia( não há muito tempo) disse que gosto de fazer as coisas comme il faut, como dizem os italianos e a resposta de uma senhora foi: Ah sim, acho muito bem, até porque os italianos são muito organizados ahahahahahahaha

    Parabéns pelo post. Amei!

    ResponderEliminar