24 junho 2017

Pipoco entraria na guerra das flores viçosas. ..

...e colocaria aqui as suas alfazemas magníficas.

Não fosse estar a caminho do Gigi e assim seria...

22 junho 2017

Em vez de prestar atenção aos senhores que estão a falar sobre estruturas societárias

O tipo sentado ao meu lado, o do fato de má qualidade, está a ver coisas no facebook e a fazer "like" a tudo, mas rigorosamente tudo, o que lhe aparece naquilo, sem sequer se inteirar do que por lá estará escrito.

(o que importa é que as pessoas que prantaram as situações ficarão felizes porque o tipo gostou muito daquilo...)

18 junho 2017

E é isto

E agora enviam-se sentidas condolências às famílias, reservaremos o nosso melhor semblante grave e sério para citar o número actualizado de mortos, não despegaremos os olhos dos carros retorcidos, a repórter da televisão do Correio da Manhã entrevistará pais e irmãos dos que se foram, perguntando-lhes que tal se sentem, amanhã teremos na primeira página as caras sorridentes de crianças que já cá não estão, havemos de ter luto oficial, não menos que três dias, teremos na ponta da língua o número de homens que estão no teatro de operações, comentaremos, com ar sofrido mas assertivo que o número de mortos tem tendência para subir, o presidente abraçará abnegados bombeiros e ninguém ousará tirar selfies, assumiremos que a coisa foi um acto de Deus  e, evidentemente, apaziguaremos a alma levando pacotes de leite aos bombeiros e transferindo dez euros para uma conta solidária.

E, evidentemente, continuaremos a achar que a guerra contra o fogo se ganha com água e aviões, que uma festa sem foguetes nem é coisa de gente cristã, continuaremos a mandar pela janela as beatas acesas, continuaremos a achar que limpar mato é um custo afundado, continuaremos a fazer de conta que para o ano vai correr melhor.

16 junho 2017

Dos objectos que nos sobrevivem

Questiona Don Xilre, aqui na casa de Capitã Cuca, ide ver, se os objectos que nos sobrevivem serão os mesmos objectos que eram quando eram nossos. Não são. A pedra de lava de um vulcão, uma pedra mágica que carreguei por mais de muitas milhas marítimas, não será mais que uma pedra sem préstimo, preta e leve, no caso improvável de eu afinal não ser imortal, alguém se encarregará de a colocar nos caixotes de lixo indiferenciado, sem cuidar do quanto acariciei aquela pedra só por me ser agradável ao tacto, e aos riscos acrescidos que corri quando a transportei vulcão abaixo, onde cada grama a mais faz diferença. A minha colecção de cartões de hotel que dizem "Do not distrurb" irá para o contentor azul, quem nunca esteve naqueles mais de setecentos hotéis, and counting, não lhes achará préstimo, por não ter estado lá, por não saber que o "do not disturb" é o verde código verde para se entrar na minha vida. E os meus livros, que só eu sei o que me ensinaram, o que senti enquanto os lia, só eu recordo se os li devagar por necessitarem ser digeridos em suaves prestações ou depressa pela urgência de saber afinal como tudo se encaixaria no final, serão só livros normais, desses que quem sabe de livros dirá se são bons ou maus, agnóstico ao facto de alguns bons me terem parecido maus e muitos maus me terem parecido razoáveis.


15 junho 2017

Há escritos de Cuca, a velha Capitã...

...que são para ler ajoelhados.

(Muitos anos depois, por sua livre vontade, Pipoco Mais Salgado havia de recordar aquela tarde remota em que este post havia de ser considerado melhor que aqueloutro do professor de esqui)

Fosse eu de apostar, lá está...

Acaba de passar por mim um homem a correr, a fazer voar a mala de cabine, o cinto na mão, a mochila presa por uma única alça, dizendo baixinho, como se fosse um mantra, as libertadoras palavras "fuck, fuck".

Estou capaz de apostar que está atrasado para o voo.

14 junho 2017

Toda a gente sabe que nos blogs não há amigos

Os meus estimados Outro Ente e Impontual escrevem, com a graça que lhes reconhecemos, sobre a nunca esgotada temática disso de não ser ideia de gente cristã isso de fazer amigos nos blogs. Reflectisse eu sobre o assunto, que não reflecti, e diria que não estamos completamente alinhados.

É bem capaz de ser o princípio de uma bela amizade.

Nestes dias de tempo contado...

... o maior luxo é ter uma imprevista tarde por minha conta numa cidade que não é a minha, poder decidir se ponho o sono em dia ou se bebo uma cerveja na cidade velha, se procuro um sítio tranquilo para ler um livro ou se me perco num museu onde haja quadros, se corro pelas ruas ou se antecipo a chegada a casa.

Mas não

Pudesse eu desligar os fios da memória, dominasse eu as más artes de esquecer, tivesse eu o superior poder de fazer de conta que nada aconteceu, que não doeu, que não notei a maldade desproporcionada nem a verdade de geometria variável e podíamos ser bons amigos, pelo menos desses amigos que se telefonam no dia de anos e no Natal.

13 junho 2017

E tu, quanto tempo demoras a preparar uma comunicação sobre banalidades?



E agora vou só ali falar do que não sei

Quando cheguei ao meu destino, o Hilton de Barcelona, esta parte era escusada mas as coisas são como são e a persona faz-se de deixar estes pormenores espalhados displicentemente ao longo do texto, quando cheguei ao meu destino, dizia eu, arredondei a conta do táxi par um valor que incluía uma gorjeta generosa, tão generosa que o taxista se virou para trás, tirou os óculos escuros e agradeceu, surpreendido. Foi pela música clássica, justifiquei. E então o taxista explicou-me que ajusta a escolha musical ao que lhe parece que o passageiro está mais necessitado e que eu, engravatado com quarenta graus em Barcelona e o meu ar taciturno, lhe pareci estar precisado de música que me acalmasse durante o percurso e, acrescentou, foi também por isso que não me dirigiu a palavra, até porque notou, através dos seus óculos escuros, que eu fechava os olhos para melhor apreciar a sonata.

Depois apertámos as mãos e cada um foi à sua vida, ele divertindo-se a escolher a música que os clientes estão precisados, eu a desejar que o próximo cliente seja um casal que se adeque a uma coladera.

06 junho 2017

Maria Athayde de Bettencourt

Podíamos não nos ver durante muitos meses, e não víamos, a Foz nem sempre me fica em caminho, mas retomávamos sempre a conversa no preciso ponto em que a tínhamos deixado da última vez, e a última vez tinha sido quase sempre numa dessas ocasiões que ambos frequentámos porque nos pagavam para isso, em que as pessoas serpenteiam com flutes de champanhe na mão, sorrindo e murmurando "posso dar-lhe uma palavra?", enquanto esticam o dedo indicador para nós, eu gostava sempre que falássemos de viagens, a Maria Athayde de Bettencourt sabia de lugares onde poucas pessoas tinham estado, para além disso tinha o dom especial de me aconselhar os livros adequados ao meu estado de espírito do momento, Moby Dick nunca fazia sentido nas semanas antes de me fazer ao mar, Herberto só fazia sentido no Inverno, eu compensava-a com o dom de adivinhar com trinta segundos de antecedência o exacto momento em que ela precisava de sair dali para fora e apanhar ar, quase ninguém acreditava que nos bastava aquilo que tínhamos, mas bastava.

A Maria Athayde de Bettencourt vai casar com o tipo mais desadequado à Maria Athayde de Bettencourt que eu conheço, prova maior, se necessário fosse, da minha completa inaptidão para perceber o que vai na cabeça de uma mulher.

Post da uma e meia da tarde

Aquilo do selinho em bom chegou tão longe, mas tão longe, que a certa altura até já havia pessoas que nem sequer dedicavam o selinho ao Pipoco Mais Salgado.

Post da uma da tarde

Ela era daquelas mulheres que nunca se arrependiam daquilo que escreviam.

Não era um problema, havia sempre quem se arrependesse por ela.

05 junho 2017

Este ano...

...eu combinei comigo que compraria apenas dois livros, escrevi num papel e tudo, como quando faço com as coisas de que não me posso esquecer, combinei comprar o quarto livro da Milenium, o que não foi escrito pelo Stieg Larsson, e só porque não encontrei quem mo emprestasse, e o Manual para mulheres de limpeza, da Lucia Berlin, para não ter que admitir outra vez que nunca tinha lido Lucia Berlin, é uma coisa que me aborrece, perguntarem-me por um autor e eu não fazer a mais pequena ideia de quem seja e que me deixam como pouco como quando leio aquelas notícias de jornal que me informam que o conhecido pintor ou a famosa cantora fulana de tal se finaram e eu fico ali a pensar que é uma desgraça só saber que eram famosos depois de irem para o eterno acampamento.

Afinal não foi assim que as coisas se passaram.

Da Feira do Livro

E lá estava ela, a autora do livro, com um olhar muito triste, sem ninguém que lhe estendesse um livro para assinar, ela havia de perguntar, sorrindo, qual é o seu nome? e havia de escrever "para fulano, com um abraço" e assinaria, aos outros autores ainda havia quem lhes fizesse companhia, talvez um amigo que por ali andasse, talvez um familiar que fosse dar apoio só para o autor não ficar triste por ninguém lhe estender um livro para autografar, mas ela nem isso, talvez viesse de longe e Lisboa ficasse fora de mão aos amigos e aos de família, e foi então que eu, à segunda vez que por ali passava, fiz o que tinha que ser feito, pedi o livro, paguei um valor demasiado alto para o livro que era, estendi-lhe o livro para a autora assinar, ela perguntou-me o nome, eu pedi-lhe que escrevesse "para um amigo dos blogs", ela não fez perguntas, eu sorri-lhe.

Ainda tenho o livro da Pipoca Mais Doce.

04 junho 2017

Post muito lindo

Talvez seja só eu a notar, mas quando encontramos na Feira do Livro pessoas vagamente conhecidas, aquele género de pessoas que cumprimentaríamos com um leve aceno de cabeça em circunstâncias normais, um colega de trabalho três pisos abaixo do nosso, um amigo de um amigo nosso, em o encontrando na Feira do Livro, somos acometidos de uma necessidade de o cumprimentar com afecto, há um elo, quem diria? parece dos que vão ao fim de semana ao centro comercial e afinal está aqui a comprar livros, ficamos ali à conversa um par de minutos, a tentar lembrar-nos do nome do tipo, talvez ele nos apresente a mulher e diga aos filhos para nos cumprimentar, este é o Doutor Pipoco, um amigo do pai, talvez acabemos por nos despedir com um abraço, talvez amanhã nos cruzemos no elevador e lhe perguntemos se as compras foram boas em vez de dizer um bom dia murmurado.

02 junho 2017

Voltando ao normal

Há em J. Silver Kengington e no seu último livro "Baker Street and the future of economics", edição da Morse Books, de Londres, todo um tratado que disseca as razões do Brexit, naquilo que de mais profundo alimenta os medos dos ingleses, J. Silver Kengington leva-nos até ao tempo dos Normandos, evidenciando o bom e o mau que fizeram ao longo de toda a costa da Grã-Bretanha virada para o Canal e de toda a sua influência nos primeiros tempos da industrialização e, sem quase nos deixar respirar, traça um paralelo com a vida monástica na Índia imperial, convidando-nos, numa miríade de sabores e cheiros típicos das zonas tropicais, ao mais profundo do nosso ser, ao relaxamento e à contemplação que os velhos monges budistas nos trazem, a nós que sempre preferimos a medicina ocidental, essa máquina que nos cria tantas ansiedades em vez de nos remeter para o porto seguro dos grandes filósofos e das suas verdades a um tempo complexas mas satisfatórias, sumarizadas mas a abarrotar de conteúdo, aliás, já na anterior obra de J. Silver Kengington , o mais que aclamado "We are all toghether now", o autor nos remetia para o imaginário dos antigos povos, no caso os Sarracenos, e nos pincelava a aparente complexidade dos nossos dias com as técnicas de gestão emocional que usavam com saber e parcimónia, propondo-nos paralelismos que, embora nos pareçam rudimentares, têm o condão de nos projectar para o neo-realismo e para o natural-surrealismo de que Garcia Marquez e a sua Barranquilla natal foram os expoentes máximos, bem gostava eu de saber quem leu esta porcaria até aqui, mas, já que aqui estão sempre aproveito para dizer que o chocolate preto salgado está a bom preço no Fauchon da Rue de La Concorde e que já há perfume Boss Legend em embalagens de duzentos mililitros no free-shop do aeroporto de Madrid, mas só no do Terminal quatro, que é de onde saem os voos da Iberia.

Isso dos selinhos Blog em Bom

Já se acabava com essa bizarria, ou quê? Não cumprem as regras, não percebem o regulamento, não colocam o selinho no sítio certo. Como é que a blogosfera pode ser melhor do que era antigamente se as pessoas não se organizam?


(Entretanto, um muito obrigado à minha querida Loira das Bicicletas que foi a musa inspiradora desta semana do revivalismo, à incrível Palmier que teve noventa e cinco por cento da responsabilidade da alegria destes dois dias em que quase nos abraçámos uns aos outros e que cumpriu em tempo record a minha encomenda das dez da noite ("Palmier até amanhã de manhã arranja-me o selo mais foleiro que conseguir arranjar - estava a pensar em ursinhos de peluche e naperons - e escrever lá dentro Selinho Blog em Bom? Obrigado, sei que posso sempre contar consigo..." e um obrigado muito especial a todos quantos apeteceu entrar nesta pequena troca de mimos e aqui vão perdoar-me cumprimentar especialmente a Mãe Preocupada por aceitar contaminar aquele espaço sagrado com o tal selinho -aposto que vai escrever muitos posts de seguida para aquilo ficar lá para baixo rapidamente - e a Don Xilre pela inesperada piscadela de olho - maravilhosamente bem escrita, mas isso é Don Xilre)

01 junho 2017

Selinho Blog em bom: A escolha de Pipoco Mais Salgado

Se eu tivesse um blog mesmo em bom, teria o blog da Mãe Preocupada. Fascina-me a visão periférica para as pequenas coisas que estão à vista de todos mas que insistimos em não prestar atenção, divertem-me as agruras do Senhor Pereira e a compaixão com que o trata, sabendo que todos o destrataríamos, por lhe ser merecida a má sorte, encanta-me o respeito com que trata o pormenor, certa de que o pormenor é sempre o mais importante.

E, claro, sempre quero ver como fica o selinho "Blog em Bom" naquele branco imaculado...


E agora nomeio dez blogs para o desafio e visitarei as suas caixas de comentários informando-os de que estão convocados para este maravilhoso momento de convívio

http://palmierencoberto.blogspot.pt/

http://mirone.blogspot.pt/

http://apipocamaisdoce.sapo.pt/

http://coconafralda.sapo.pt/

http://diasdeumaprincesa.pt/

http://www.asnovenomeublog.com/

http://calmacomoandor.blogspot.pt/

http://xilre.blogspot.pt/

http://www.isabelduartesoares.com/

http://avozasolta.blogspot.pt/

https://naomudesnunca.wordpress.com/


(eram só cinco? Olha, que se foda...)

O selinho "Blog em bom"

O selinho "Blog em bom" surge com o objectivo de promover o convívio entre todos os bloggers, de maneira a andarmos mais entretidos e podermos gastar o nosso tempo no que realmente vale a pena.

Um blog de referência como é, inquestionavelmente, "Pipoco Mais Salgado" não podia alhear-se desta necessidade, pelo que hoje mesmo lançaremos o primeiro post subordinado ao mote "Se o meu blog fosse um blog em bom seria o blog tal", promovendo-se assim uma salutar promoção de blogs que gostaríamos que fossem os nossos e, cereja no topo do bolo, o blog eleito poderá ostentar o selinho "Blog em bom", tornando o espaço mais requintado e selectivo.

Depois é só lançar o desafio a cinco bloggers, avisando-os de que dispõem de vinte e quatro horas para escolherem o seu eleito e lançarem o desafio a mais cinco bloggers, anunciando na caixa de comentários dos desafiados as seguintes palavras:

"foste envolvido no movimento "selinho Blog em bom", tens agora vinte e quatro horas para escolher um blog que gostasses de ser, explicando-nos porque é que aquele blog é mesmo um blog em bom e para desafiares mais cinco bloggers para este interessante desafio que pretende promover o convívio entre todos os bloggers, ou então um panda bebé morrerá e todos sabemos que os pandas são animais fofinhos que não merecem falecer só porque alguém não responde a um desafio"

Quereis um selinho destes no vosso blog?



É aguardar pelas instruções para poder ostentar uma preciosidade destas no vosso blog.

(Obra da sempre surpreendente, da incrível, da notável, da completa e saudavelmente alucinada Palmier Encoberto)