26 junho 2017

A sul (III)

11 comentários:

  1. Anónimo26.6.17

    Está na minha wish list. Recomenda? Dê lá uma opinião, se faz favor, que a malta não tem dinheiro para comprar tudo o que o que lhe faz luzir o olho e com uma recomendação é logo outra coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Recomendo. Gosto muito do pormenor e de como o Bruno Vieira Amaral constrói os bonecos.

      Eliminar
    2. Anónimo27.6.17

      Obrigada, Tio! Boas férias a sul!

      Eliminar
  2. Essas fotos... Esse horizonte inclinado (consequência da consequência da catana no vidro?)... Poças, rodo o tablet, o conteúdo do ecrã roda também... Malditas inversões... Uns na guerra outros na feira... Ninguém nas ondas do Mar? Que desperdício.

    ResponderEliminar
  3. Lady Kina26.6.17

    "rodo o tablet, o conteúdo do ecrã roda também."


    aahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahah


    não será da erva?!

    Faça zoom, onónimo, e depois venha cá comentar aquela beleza de autocolante!

    :-)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :DDDDD

      O autocolante!

      Então meu caro?! Agora é que foi bem apanhado pela Lady Kina! Só pode ser um livro emprestado. Saldos é coisa de pobre, caraças. Pior, o autocolante está lá para recordar o pobre que é pobre. É um pouco como a habitação social do Siza.

      É a nossa intrépida Pirata Cuca ali junto ao Mar?

      Eliminar
    2. As coisas são como são, meu caro. Todos nós temos os nossos momentos de dificuldades e quando assim é rumamos à Feira e não aspiramos a mais que as promoções do dia...

      Eliminar
    3. Lady Kina27.6.17

      Ui, feiras é comigo, pratico todas e algumas várias vezes ao dia, as Dos Vinhos à cabeça, mas também não perco uma Dos Peludos.

      Eliminar
  4. Está na lista de leituras!

    ResponderEliminar
  5. Hoje não mostra a coxa?
    No mais o enquadramento mantém-se ao nível do que nos habituou.

    Desfrute.

    ResponderEliminar
  6. Que a nobre arte de ler livros ao contrário na praia nunca se intrometa com o sono dos justos que se embala na mais fina prosa encadernada.
    E que o questionar de tamanha arte nunca seja mais desmentido do que com um suave 'Mergulhei nos abismos do enredo e foi uma sorte ter sobrevivido' ;)

    ResponderEliminar